sábado, 15 de junho de 2019

Desconfiança; o maior sabotador das relações.

              Hoje vamos conversar um pouco sobre um tema que está presente em quase todos os rompimentos/discórdias nas relações (sejam elas; amorosa, familiar, profissional): a desconfiança.
Resultado de imagem para desconfianca no relacionamentoA desconfiança é uma estratégia cerebral (cognitiva) que todos nós temos que tem como principal objetivo nos proteger de frustrações futuras. A pegadinha cerebral disso é que acabamos vivendo essa frustração em nossos pensamentos e sentindo todas as dores emocionais como se o pior já estivesse ocorrido (ou ocorrendo).
              O que muitos não sabem é que existe a desconfiança positiva. É aquela que nos move a detectar falhas e nos aprimorar. Evoluir. A própria ciência, como estudamos hoje, é resultado de anos e anos de desconfianças. Devemos isso, principalmente, a René Descartes, um dos mais importantes filósofos do mundo, que ajudou a ciência a dar um salto enorme com seu método: a dúvida, que é a busca incansável pela verdade das coisas que nos são apresentadas (não aceitar dogmas).
O problema é o excesso de desconfiança. Quando você desconfia de seu namorado(a), no fundo, quer evitar sofrer futuramente. Quer evitar perde-lo(a).E pior: para quem desconfia, tudo é um indício de que o outro realmente pode quebrar (ou já quebrou) sua confiança. Porque temos uma grande tendência a selecionar fatos que confirmam nossas teorias e eliminar os que não confirmam.
            Por excesso de medo de perder, portanto, acabamos perdendo. Afinal, do outro lado dessa relação, existe alguém que sente-se constantemente vigiado, em sinal de alerta máximo, pisando em ovos, em tensão máxima. E sabe o que mais pode acontecer? A vítima da sua desconfiança pode começar a achar que você desconfia porque faz coisa pior. Fonte: tribunadoceara.uol.com.br/blogs/o-psicologo
 PARA ACABAR COM SUA DESCONFIANÇA DE VEZ AGENDE UMA CONSULTA GRÁTIS COM O DETETIVE. GARANTIMOS O MAIOR SIGILO. (88)99803-7304.
Share:

0 comentários:

Postar um comentário